Entenda o que é o Lowsumerism e porque precisamos tanto dele.

Você já se deu conta de quantas coisas costumamos consumir por compulsão, por afirmação social ou por simplesmente modismos?

E se essa tendência estivesse acabando com o meio ambiente? Estivesse acabando com a nossa forma de nos relacionar com o mundo á nossa volta? Nos tornando cada vez mais frios e superficiais? Descartáveis?

O que o movimento do lowsumerism pretende propor é justamente uma reflexão sobre nossa relação com o consumo, e a palavra significa low = baixo + consumerism = consumo ou seja, consumo moderado; consumo consciente.

O auge veio quando surgiu esse vídeo em 2015 lançado pela empresa de pesquisa de comportamento de consumo, Box1824, que mostra em dez minutos a ascensão do consumismo na era contemporânea:

A partir disso as pessoas se engajaram com uma nova forma de ver o mundo e sua forma de consumir bens e serviços para sua própria vida. Ou ao menos, é o que se vem tentando fazer desde essa época com a nova mentalidade da sustentabilidade, da economia circular e outros conceitos difundidos na indústria da Moda.

Quando pensamos em pessoas que procuram reduzir seus impactos causados na natureza e propõem um novo estilo de vida no meio dessa confusão toda da vida moderna temos em mente Gisele Bündchen em primeiro lugar.

A über model cultiva em sua casa uma horta onde cultiva seus alimentos e ensina esses valores de respeito á natureza aos seus filhos.

Indo no mesmo fluxo,  marcas como Osklen, Insecta, Svetlana, Use Reserva, Timirim Brasil, Studio Adriana Valente, Emi Beachwear entre outras vem dispontando como líderes do segmento sustentável no Brasil, adotando medidas de produção consciente e renovável, seja por usar tecidos inteligentes, matérias primas naturais ou seja por adotar critérios do slow fashion.

Osklen

A União Europeia está bem avançada no quesito sustentabilidade pois criou leis rígidas para eliminar o descarte de materiais têxteis nos aterros até 2020, exigindo que a indústria da moda crie novas alternativas de economia circular para reciclar toda essa matéria prima em novos tecidos e materiais. Por causa disso já estamos vendo muitas grandes marcas de moda colocando pontos de coleta de roupas em suas lojas.

Felizmente estão surgindo novas tecnologias de reciclagem química que transformam toneladas de resíduos de alimentosroupas velhas e até esterco de vaca, em novos tecidos sustentáveis biodegradáveis para substituir os tecidos de algodão comum e poliéster que dominam 85% do mercado de moda e cuja produção não é sustentável.

Os designers de moda, no entanto, estão agora utilizando a tecnologia para criar roupas e acessórios ambientalmente conscientes, que oferecem um vislumbre do futuro e uma crítica a uma indústria poluente que em breve será forçada a resolver alguns dos problemas criados pela produção em massa.

full_29293-min

O que fazer com toneladas de roupas que são jogadas fora todos os anos? Reciclar, reciclar e reciclar esse é o novo mantra da economia circular onde o que era lixo se torna novas fibras.

A POLUIÇÃO DA MODA

O mercado de vestuário dos EUA é o maior do mundo com cerca de 28% do volume total. Muitas empresas aderiram ao modelo insustentável do “fast fashion” que ganhou força a partir da década de 90, onde os consumidores foram acostumados a encontrar roupas novas nas prateleiras quase todas as semanas, em vez de uma vez por temporada.

Mas enquanto a tecnologia permitiu que as empresas produzissem roupas de forma mais rápida e com menor custo, a rapidez do fast fashion ajudou a tornar a moda na segunda indústria mais poluente do mundo, atrás da indústria petrolífera, a segunda em consumo de água depois da indústria alimentícia e a primeira em obsolescência programada superando a indústria de eletrônicos.

Uma única peça de roupa cria uma grande pegada ambiental durante seu processo de vida que inclui a agricultura, colheita, produção, processamento, transporte, uso e descarte. Pesticidas na cultura do algodão, tintas tóxicas na fabricação e os resíduos das roupas descartadas nos aterros aumentam os custos ambientais de uma peça de vestuário.

Alguns materiais, como o algodão, são recicláveis e biodegradáveis, enquanto outros materiais sintéticos, como o nylon e o poliéster, são reciclados mas não são biodegradáveis. Mesmo lavando essas roupas sintéticas, podem enviar milhares de minúsculas fibras e produtos químicos para o oceano.

Stella-McCartney-SS16-trend-spring-2016-fashion-HOLD-IMAGE-min

A BELEZA E ÉTICA NA MODA COM UM PROPÓSITO

Devemos repensar o ciclo de vida completo do vestuário para acabar com todo desperdício, criando novas tecnologias de produção onde todos resíduos podem ser reciclados e reintroduzidos na cadeia de produção de forma contínua de acordo com a economia circular. As tecnologias de produção de moda de economia linear, causaram o aumento em larga escala de resíduos.

Mas isso está começando a mudar. Estilistas como Eileen Fisher, Stella McCartney e Ralph Lauren estão tentando reformular as práticas da indústria, usando tecidos orgânicos ou tecidos feitos de reciclagem de materiais para reduzir o desperdício de água, energia, tempo e produtos químicos.

Outras empresas como a Levi Strauss, estão envolvidas em projetos que estudam seu impacto sobre o planeta. A Levi fez parceria com a startup Evernu para dissolver quimicamente roupas velhas para se criar uma nova fibra de qualidade para fabricar suas calças jeans, o que é uma alternativa sustentável para o uso intensivo de água na produção de algodão.

Outra parceria interessante da Levi foi com a empresa italiana fabricante de nylon Aquafil que desenvolveu um material sintético chamado Econyl feito 100% de resíduos de nylon regenerado obtido das redes de pesca retiradas dos oceanos.

27223

Milhares de toneladas de jeans velhos podem agora ser transformados em novas fibras através da reciclagem e transformados num novo material bioplástico chamado DenimX que pode ser utilizado de diversas formas.

As grande redes de fast fashion estão se movimentado em direção a economia circular investido na recolha em suas lojas de roupas velhas para reciclagem além de tecidos feitos com algodão orgânico, algodão reciclado, poliéster reciclado e tecidos feitos de resíduos pós-industrializados. A H&M patrocinou o prêmio de economia circular Global Change Award 2015 para financiar as 5 melhores tecnologias para solucionar o problema dos resíduos na moda.

EM DIREÇÃO A UMA MODA FUNCIONAL

O crescimento das vendas de tecidos inteligentes está projetado para quase triplicar entre 2012 e 2018, para US $ 2 bilhões, enquanto as tecnologias vestíveis devem crescer para US$ 19 bilhões no mesmo período. Estamos vendo agora o desenvolvimento de tecidos chamados tecidos inteligentes, que são roupas infundidas com elementos tecnológicos que interagem com o usuário.

A tecnologia vestível cria novos nichos e possibilidades na moda pois cria novas capacidades multifuncionais para roupas e acessórios através de tecidos e materiais inteligentes. Nossas roupas se tornarão computadores vestíveis cuja tecnologia miniaturizada estará integrada a fibra têxtil de forma quase imperceptível se conectando a internet das coisas.

Essas inovações estão sendo estimuladas por grandes corporações, novas startups, escolas de design e universidades juntamente com designers, estilistas, cientistas, mídia e especialistas em tecnologia para unir a moda, ciência e a eletrônica.

A tecnologia vestível pode criar roupas que se auto-reparem quando furadas, roupas anti-odor que nunca se sujam e precisam de lavar poucas vezes, roupas que criam energia através do movimento do corpo e energia solar para alimentar dispositivos eletrônicos, roupas que mudam de cor, textura e estampa para eliminar a necessidade de comprar roupas novas e roupas que monitoram nossa saúde e exercícios físicos de forma eficiente.

UMA VISÃO PARA O FUTURO

Duas exposições recentes nos Estados Unidos promoveram a conversa sobre o futuro da moda e da tecnologia: o Museu de Belas Artes de Boston apresentou o #techstyle (06 de Março a 10 de julho de 2016) e Metropolitan Museum of do Art apresentou Manual x Máquina (5 de maio a 15 de agosto de 2016 ).

Ambas exposições ofereceram um vislumbre de como a tecnologia pode ser usada para redirecionar e reduzir o desperdício na moda como é o caso da empresa Bionic Yarn, que tece denim usando garrafas recicladas retiradas do oceano para a linha de roupas G-Star Raw for the Oceans. Outro projeto interessante foi o Nike Flyknit um tênis de corrida que é uma mistura entre arte e tecnologia.

O sapato é tricotado na forma do pé com fios feitos de garrafas de plástico recicladas gerando quase nenhum resíduo de material, com um excelente ajuste e vendido a um preço comercial. Essa tecnologia de tricô 3D torna a fabricação de moda e acessórios muito mais personalizável, prática e sustentável.

flyknit_racer_3_hd_1600-copy

Aproveitando a tecnologia de tricô 3D utilizado pela Nike, a startup de calçados Rothy cria belos sapatos femininos feitos 100% de garrafas PET recicladas que também pode ser facilmente reciclados. A impressão 3D também foi tema nas duas exposições pois é vista como o futuro não só da indústria da moda mas de todas as outras.

Através das novas tecnologias de impressão 3D poderemos fabricar artigos de moda em larga produção de forma automatizada, barata e personalizada, sem emitir poluição, eliminando o desperdício, consumo de água e produtos químicos. A automatização das fábricas que produzem artigos de moda será algo comum em 2026 como mostra a tecnologia desenvolvida pela startup americana Softwear Automation e a fábrica automatizada Speedfactory da Adidas.

Com o surgimento de novas tecnologias de produção sustentável, é importante para os designers e estilistas utilizem essas tecnologias para criar produtos artesanais ou industrializados com um propósito que seja bom para o ambiente, mas também esteticamente agradável e acessível. Só então é que a indústria da moda poderá caminhar em direção a um futuro mais sustentável e inteligente.

Fonte:

https://revistaglamour.globo.com/Lifestyle/noticia/2017/08/entenda-o-que-e-lowsumerism-onda-do-consumo-consciente.html

https://ffw.uol.com.br/blog/comportamento/the-rise-of-lowsumerism-video-da-box-1824-prega-reducao-no-consumo/

https://revistamarieclaire.globo.com/Celebridades/noticia/2017/07/amante-da-natureza-gisele-bundchen-mostra-hora-que-cultiva-em-casa.html

As ​marcas de roupas sustentávei​s no Brasil que você deve conhecer

O futuro da moda é a sustentabilidade e a sustentabilidade é a nova moda

https://www.revistalofficiel.com.br/moda/moda-ecologica-marcas-brasileiras-que-prezam-pela-sustentabilidade

https://www.goodnet.org/articles/levis-now-making-jeans-from-old-carpet-fishing-nets

 

Anúncios

São sempre legais.

Aproveitando mais um gancho pra falar de estampas… pensei nas estampas e padronagens que sao hits, podem ser encontradas tanto nas passarelas quanto nas mais diversas araras de lojas.

Fazem um estilo super cool e proporcionam frescor ao armario.

Tartan e Xadrezes

tartan

xadrez_passarela_review

Esse tipo de padronagem era muito apreciado pela rainha Vitória, que frequentava as highlands escocesas e foi responsável pela popularidade do Tartan na segunda metade do século XIX. No século XX, saias e calças de tartan surgiram nas passarelas de Moda.
O xadrez (check) foi criado  por proprietários de terra na Escócia, durante o século XIX, como alternativa para o Tartan, considerado inadequado ao uso diário ou ao trabalho. Foi adaptado de tecidos locais, baseando-se nas cores e no padrão do tartan. Era também comum lançar o tecido xadrez como padrão comemorativo. Durante o século XX, o xadrez foi, a princípio, usado em ternos e casacos masculinos, ficando logo popular para mulheres  em costumes, mantôs, vestidos, saias e, na década de 60, calças.

Existe também um tipo de xadrez chamado Vichy que tem um peso leve ou médio, a princípio feito de linho e depois de algodão. É um tecido com fios tintos, em xadrezes de tamanhos diferentes.  O xadrez Vichy foi popular para vestidos de verão durante o século XIX e entrou em moda nas décadas de 40 e 50 para vestidos, blusas, saias, playsuits e biquinis.

xadrez_vichy

By the way, honey, essa padronagem é uma das apostas fortíssimas pra esse verão que está rolando. Uma dica minha é dar uma conferida no catálogo de verão da Richards. Mixed Prints em bikinis maravilhosos.

Pied de Coq

Fazenda tecida em xadrez regular, com os quadrados separados. Desde o final do século XIX, é muito usada em peças externas, paletós, saias, tuxedos, trousers e afins.

Animal Prints

Sabia que as listras pretas e brancas das zebras possuem função de camuflagem? Segundo biólogos, elas servem pra despistar seu principal predador, o leão. As linhas onduladas de uma zebra se misturam às linhas onduladas da grama alta em torno dela. Não importa se as listras das zebras sejam pretas e brancas e as linhas da grama sejam amarelas, marrons ou verdes, pois o leão, não enxerga em cores.

Mas, contraditóriamente, suas listras ajudam a se identificarem.

prints_01

Paisley

paisley_01

É o nome de uma cidade escocesa que, durante o século XIX, ficou famosa pela produção de um tecido de lã penteada. Como os xales de cashemira da Índia entraram em moda, as indústrias de Paisley adaptaram o motivo cônico tecendo-o em grandes xales quadrados em tons vermelhos e marrons. Esse padrão específico ficou conhecido como Paisley e foi usado principalmente em xales e robes no século XIX e no início do século XX. Na década de 80, o paisley voltou à moda, inclusive em meias-calças, saias, vestidos, batas, saias, bolsas e bandanas super incríveis usadas por rock stars de Glam Rock.

Argyle

argyle_01

Padrão de losangos multicoloridos (inspirado no tartan do clã escocês Argyle) outrora tricotado á mão na Grã-Betanha, mas hoje feito à máquina em todo o mundo. O padrão Argyle é mais frequentemente encontrado em meias, cachecóis e suéteres. É um clássico.

Quadriculado

Podem sugerir a azulejos de casas antingas de interior ou à pisos de lanchonetes da década de 50 onde as garçonetes usavam saias godês bem rodadas e camisetinhas pólo ou sociais.
Lembram também as bandeiras de chegada das pistas de fórmula 1 e atualmente aparecem no chão e paredes de clubinhos underground.

Tattoos e Estampas.

Conforme o post anterior, onde falei sobre estampas surgiu a questão sobre como usar estampas sendo uma pessoa bem tattooada.

Além do estilo da estampa, seja ela com elementos menores ou maiores, mais geométricos ou mais orgânicas com formas mais sinuosas,  tem também o detalhe do modelo da roupa. O comprimento, recortes, fendas… tudo isso que ajuda a valorizar os nossos tão queridos rabiscos.

Bem. Muita calma nessa hora e vamos a um passo a passo que pode ajudar a realizar um novo estilón sem poluir o visual, sem ficar com uma imagem muito carregada.

Primeira sugestão:
Estampa com elementos grandes e de forma sinuosa.
Vestidón de um ombro só.
Tattoo em um ombro ou em um braço inteiro. (Mão e dedos tb valem.)

umombrofullsleeve
Pra quem escolheu tatuar mais um braço do que o outro ou só um braço mesmo, seja mais focado na parte do ombro ou full sleeve mesmo (literalmente uma manga de tatuagem no braço) incluindo os dedos ou palma das mãos, em fim, Pode valorizar os traços usando um vestido de um ombro só como o da foto.
O outro braço mais liso fica escondidinho e pode ganhar um adorno como uma pulseira ou anéis.

O comprimento desse vestido já intervém no caso da pessoa ter pernas tatuadas ou não. Se a pessoa tiver uma ou as duas canelas todas tatuadas já fica over, pelo fato do joelho ser um pequeno espaço entre a estampa da pele e o comprimento do vestido.
Mas se for algo mais localizado, pode ficar interessante.
Outra sugestão? Se ao invez da moça ter a canela inteira fechada de tatuagem ela tivesse uma tattoo localizada no peito do pé.
Em um só ou nos dois.

tomara_que_caia_estampado


Paz e amor…

Dia 23 aconteceu no Rio de Janeiro no clube Namastê na Gávea, a festa Take My Breath Away com Gui Boratto como atração principal e flyer liiiindo já chegou nas nossas caixas de email.

Confere aí:

guiboratto

XXX


E como os amigos do Rio são animados meixxxmo ein?! Saudadessss mil!

A festa Moist que acontece no clube MeiaNove lá na Farme de Amoedo promete começar na sexta á partir das 22:00 e só terminar no domingo… a sei lá que horas! Ai que tudo! E ai galera, rola uma video-conferência do after? LoL

O line up fica por conta do Bo$$ in Drama, Badenov e Gustavo MM.

bo$$indrama

O jeito é matar a saudade dos bons amigos, boas nights e bons tempos assistindo ao SexShake no Multshow.

Que aliás estava ótemo nessa última quarta feira com as meninas New Rave Gymnastics na praia da barra… 😉

sexshake01

XXX

E um blog legal nisso tudo: http://www.oesquema.com.br/urbe/tag/arte-de-rua/

Vai Venú!

Último dia…

Exposições na Caixa Econômica Federal na Praça da Sé.

em cartaz _ 01

E pra ir no embalo vou ouvindo no meu iPod o som da Little Boots, que tem uma foto dela no myspace usando o mesmo vestido que a Karen O usou na matéria da NYLON do mês passado do Alexander McQueen.

 

karenO

Cherry Lips

Nada mais chamativo que uma boca vermelha na hora de produzir a make, disso todo mundo sabe… e a coragem também pra usar e coordenar com o look não podem ser feitos assim, de uma hora pra outra, certo?

A celebrity mais top of mind no quesito batom vermelho é sem sombra de dúvida a Gwen Stephanie, que desde o início de sua carreira sustentou a pose com seu estilo pra lá de chamativo e, acreditem, bem formulado.

É street, é sport, é sexy.

gwennnn

Pra quem tem o tom de pele mais claro a boca fica em maior evidência, então o melhor é evitar carregar os olhos com sombras e delineador, e usar só a máscara (preta para as morenas e marrom para as loiras e ruivas).

Bom lembrar que o blush deve ser sutil também para não ficar exagerado.

Palavra chave: Contraste.

DevilWearsPrada

Tem pessoas que preferem não combinar as cores das unhas com a cor do batom, e optam por esmaltes de tom neutro ou de cores mais claras, mas não há nada de errado em combinar o esmalte com o batom.

Na foto aparece a Anne Hathaway, atriz de O Diabo Veste Prada, das duas maneiras.

Uma outra dica importante é que na hora em que se passa o batom o contorno fica incrível, mas a medida em que se fala, se pega vento e coisa e tal o batom tende a “sangrar”, ou seja, o contorno fica esmaecido e para evitar que isso aconteça é melhor passar um delineador labial antes de aplicar o batom.

Com essas dicas não tem erro na make.

***

Cameron

A-PAI-XO-NA-DA!!!!!!

Pelo novo comercial da ADIDAS ORIGINALS!!!! AMO!

“Easycoming easygoing… lalalalala baibe!”

Alguém sabe qual é essa música!??!?!

Então, a música se chama Beggin composta pelo líder da banda Four Seasons, Frankie Valli na década de 60. Frankie também é o autor da famosa “Cant take my eyes of you” gravada em meados  de 1967, além de responsável por diversos hits consagrados nos Estados Unidos.

E um vídeozenho da música remix e a letra da música pra vocês poderem sair cantarolando por aí felizes da vida.