Pensando Nisso!

Com os estudos atuais sobre os impactos no meio ambiente, na natureza, um tem me chamado atenção:  De acordo com pesquisas da Suécia, alerta-se que os calçados em plástico podem fazer mal por quem usa e para a natureza ao serem descartados por terem uma grande quantidade de agentes químicos na sua fabricação.

Seriam o fim das Havaianas e das Melissas?! ahhh…. :/

melissas

Em contra partida a linha ecologicamente correta da Adidas, a GRÜN,  já setá no Brasil desde 2008 com calçados feitos a partir de diversas fibras naturais e  ecológicas como o cânhamo e bambu, sementes de girassol, além de soja misturada com algodão. Em Londres foram feitos diversos outdoors verdes como os que aparecem nas imagens abaixo que deram um novo visual á cidade cinzenta.

Anúncios

Segunda Feira.

Quero um Vive La Fête e um desenho pra acompanhar.
Obrigada.

pretty_green

***

Ilustrador de Moda – Richard Gray

Por favor, descreva seu trabalho:

Sou contratado para criar ilustrações de moda de acordo com o resumo criativo do cliente. O cliente pode variar, de um editorial – revistas e livros – a um designer de alta-costura, prêt-à-porter ou moda de rua. Primeiro eu crio uma ilustração de esboço/traço para demonstrar minhas idéias em relação ao que fui solicitado para fazer. Se todos envolvidos ficarem satisfeitos, então termino a arte final, tudo dentro de um tempo estabelecido e um prazo final.

Quem são seus clientes e/ou para quem você trabalhou?

Os designers/clientes para os quais trabalhei incluem: Alexander McQueen, Givenchy, Angent Provocateur, Vivienne Westwood, Miguel Adrover, Julien MacDonald, Kylie Minogue e William Baker, Boudicca, Oasis, Printemps.
Editorialmente, trabalhei para a Vogue Pelle, Vogue Italia, resvista V, Madame Figaro, Flaunt, revista The Observer, Vogue Gioiello, revista Los Angeles Times, Sleek, revista The Independent on Saturday, Mixte, Io Donna, Jalouse, Entertainment Weekly, entre mais outros.

Qual é a melhor parte do seu trabalho?

A melhor parte é que não posso prever o ano de trabalho. A surpresa e o prazer quando designers ou revistas que você admira lhe pedem pra trabalhar com eles, e a gama de projetos de um ano para o outro. Acho que ajuda a não limitar minha carreira a um estilo único, portanto, meu trabalho é muito variado.

E a pior?

Às vezes sinto que não há horas suficientes durante o dia, mas exceto isso, não posso me queixar.

Você tem algum conselho para alguém que queira trabalhar na sua área de moda?

Acho que a ilustração é uma carreira que pode ser muito gratificante, mas como todas as profissões freelance, não há garantia. Nem todo mundo gostará do que você faz, já que qualquer arte ou ilustração é muito subjetiva, portanto, não desanime se você achar que seu trabalho não agrada a todos, mas sempre escute a crítica construtiva e saiba quando ignorá-la. Mais do que tudo, tão importante quanto ser criativo é ser digno de confiança. O cliente quer o trabalho feito com o mínimo de alvoroço possível. Todo mundo é ocupado, com um milhão de problemas para resolver diariamente. Se você tornar a vida deles um pouco mais fácil terminando seu trabalho no prazo, correspondendo ao briefing, é provável que eles lhe chamem novamente.

richard+graygraymatter1_big

Minha favorita é….

Eu tenho um treco com cores que é inexplicável. Mas isso só hoje em dia. Já tive fases de preto. preto total. tanto pra vestir quanto no desenho.

Mas sei lá, com a fotografia acho que veio uma percepção maior sobre as cores. De apurar o olhar pra composição, pro enquadramento, pra roupa com a pele com o fundo… com a luz…

Um lugar que achei aqui na web, atravez do site carreirafashion.com.br foi o universodacor.com.br que ofereçe cursos de cor e estamparia.

Vale a dica então:

universodacor

Ex’s… um novo começo!

ex-modelos

Nesse último finds, no domingo, rolou uma matéria bem bacana no caderno Feminino do Estado de São Paulo falando sobre as Ex-modelos e como elas investiram em um plano B para o futuro pós-passarelas. Elas dão dicas pra quem ainda está na estrada para que se preparem melhor pra vida.

Vou transcrever alguns trechos da matéria pq estou bem com preguicinha de fazer um resumo com minhas próprias palavras… pode ser?

Então vamo lá.

“Vida de modelo não é nada fácil. Elas perambulam de agência em agência com seu book debaixo do braço; passam por testes intensos diariamente, tem de fazer dieta, evitar o sol e se cuidar para não ganhar um centímetro que seja no quadril. Mas há também a parte glamurosa: convites para festas, roupas de grife, tratamentos de beleza e as oportunidades de viajar pelo mundo. E é nesse ponto que jovens podem se deslumbrar.

Estudar, ficar antenada, garantir algo além do rostinho bonito e soltar o seu grito de independência pode ser uma boa receita. A maioria ds modelos torna-se produtoras de moda, booker, dona de loja, fazendeira, ou simplesmente, vive de renda. Mas quando há o ingrediente sorte – e taletno, é claro -, o destino mais comum é tornar-se atriz ou apresentadora.

O ideal é não perder oportunidades e sempre fazer contatos, para abrir caminhos. Uma modelo que viajou pra China, onde enxergou outros negócios, passando a importar diversos produtos para o Brasil é um dos exemplos. Quando Mônica Rizzo viajava para o exterior tentava algum estágio em restaurantes renomados, paralelamente aos castings e hoje comanda o restaurante Maní, em São Paulo.

Para a autora do Guia de Modelo, Érica Muñoz, é importante tomar cuidado para não cair em armadilhas. Deve-se investir em um book bem produzido, com um fotógrafo profissional especializado em moda, procurar uma agência grande, não acreditar em qualquer pessoa, não deixar de esudar nem perder oportunidades de viajar pra fora do país. “A diferença em quem se destaca é a esperteza e a atitude. enfatiza.”

***

Na foto aparecem em ordem cerscente Carol Ribeiro, Helena Rizzo, Sâmia Maluf, Margareth Libardi e Silvia Pfeifer.

E eu abro aspas para Carol Ribeiro que na matéria diz assim sobre ela:

“A paraense Carolina Ribeiro trabalha com moda desde os 15 anos. Acaba de completar 30, tem um filho de 5 e é casada há 13 anos. Consolidou a carreira em território nacional, enquanto viajava por Nova York, Paris, Milão e Londres. Depois de estrelar campanhas da Gucci, Louis Vuitton, Valentino e Revlon (substituindo Cindy Crawford), além das capas de revistas como Vanity Fair, Vogue e Elle, entre tantas outras, comandou por um ano o programa A Fila Anda da MTV.
Neste ano, passou a apresentar o IT MTV, direto de Nova York, onde passou a viver com o filho e o marido, mas já tem planos de voltar para o Brasil em 2010. Ela fez curso de edição e sempre produziu o programa junto com a equipe. “Eu realmente entendo do que estou fazendo”. Avisa.”