Chega por hoje…. estudei muito.

Estudei muito, fritei o cabeção já entendi que NÃO posso misturar a minha vida pessoal nem Deus na hora que eu estiver estudando HUAHAUAHUAHAUAHUA Que eu tenho que estudar A MATEEEEERIA pra não entrar em confusão.

E que agora é hora de ir pra piscina. Tchau.

Ah! E que eu tô triste porque eu baixei o livro Direito e Razão do Ferrajoli na internet e as páginas que eu li com certeza estão erradas e não são as mesmas que foram indicadas pra leitura de acordo com o cronograma do grupo. =˜˜˜˜

Com certeza eu li o que não era pra ler. ódio ! hauahuahauhauahuah Eu vou relaxar na piscina. tchau. grrrrrr.

Não não não não….. eu tinha escrito um monte de coisa errrrrraaaaada!!!! Se liga nisso! – Soluções do Abolicionismo para a Pena Privativa de Liberdade (Que se encontram nas Penas Alternativas que estão lá na Parte Geral do Direito Penal).

3.3- CONSIDERANDO ALTERNATIVAS À PRIVAÇÃO DA LIBERDADE

 

Se concretizadas as medidas acima mencionadas, apenas poucos bens jurídicos, quando lesionados, poderão vir a ser tutelados pelo Direito Penal, tendo em vista que com regular respeito ao princípio da subsidiariedade, mesmo bens jurídicos de extrema relevância, como vida, liberdade e integridade física, somente poderiam sofrer o peso da coerção estatal, quando aquele conflito já tivesse sido devolvido aos

protagonistas, e ainda assim não se encontrasse consenso. Assim, somente nessas circunstâncias, permitir-se-ia que o Estado intervisse, e apenas nesse contexto, é que se fazem oportunas às considerações acerca de alternativas à privação da liberdade, pois o Direito Penal poderia exercer seu potentia puniendi, porém com penas mais eficazes do que o encarceramento humano.

 

Destarte, as alternativas à privação da liberdade são relativamente recentes, as mais remotas remontam suas aparições ao final do século XIX.Conforme preceitua Cezar Roberto Bitencourt “(…) os próprios reformadores, como Beccaria, Howard e Bentham, não as conheceram (…)” 282. Este mesmo autor ainda ratifica que a primeira vez que uma alternativa ao cárcere foi aplicada, deu-se na Rússia em 1926, na modalidade de ‘prestação de serviços à comunidade’. Após aplicou-se na Inglaterra em 1948 a ‘prisão de fim de semana’, que foi posteriormente implementada também na Alemanha em 1953 e na Bélgica em 1963. Ainda pontua-se a adoção do ‘trabalho comunitário’, na Inglaterra em 1972, como já explanado anteriormente.

 

281 Vide GRECO, op. cit., 2011, p. 325.

282 Vide BITENCOURT, op. cit., 1993, p. 390-398.

117

 

Nesse diapasão, não há grandes entraves teóricos para a formulação e implementação de alternativas à pena de prisão, tendo em vista já existirem diversas formas mais racionais de sancionar o cometimento de atos ilícitos. Ocorre, que grande parte destes institutos são aplicados em um quantitativo ínfimo dos ilícitos cometidos na sociedade atual, isto porque se prioriza quase unanimemente a privação da liberdade, concepção esta que é completamente equivocada, posto que uma aplicação mais adequada de cada pena, para delitos determinados, será muito mais eficiente na busca pelas finalidades da pena. Logo, as proposições devem ser no sentido de maior utilização das penas não privativas de liberdade, mostrando-se pertinente pontuar as mais expressivas 283.

 

Dentre estas se podem citar primordialmente as penas de natureza Restritivas de Direitos (como a ‘interdição temporária de direito’, a ‘proibição de exercício de cargo, função ou atividade pública e mandato eletivo’, a ‘proibição de profissão, atividade ou ofício’), as penas de natureza Pecuniárias (como a ‘perda de bens e valores’ e a ‘prestação pecuniária’), e ainda as penas de natureza Restritivas de Liberdade (como a prestação de serviços à comunidade’, a ‘proibição de frequentar certos lugares’, a ‘limitação de fins de semana’). Ressalva-se que este rol não seria taxativo, mas apenas exemplificativo.

 

Com já esclarecido em tópico anterior, no que se refere às penas Restritivas de Direitos em sentido estrito, seriam uma opção consistente ao cárcere, quando da utilização de sanção que restrinja o exercício de determinado direito. Já tangenciando as penas Pecuniárias, aduz a doutrina que estas seriam a diminuição do patrimônio do agente, prevista em legislação vigente, como sanção a um ato ilícito. Por fim, as penas Restritivas de Liberdade têm o escopo de limitar relativamente à liberdade do indivíduo, mas não de privá-la por completo desta, como no encarceramento, estas apenas restringem o exercício de sua liberdade a determinados parâmetros previstos em lei.

 

Portanto, são inegáveis os benefícios gerados pela adoção de penas e medidas alternativas à privação da liberdade, tanto com relação a aspectos subjetivos do

condenado, por obstar-se sua estigmatização e propiciar sua efetiva ressocialização,

quanto a aspectos de política estatal, já que se diminuem drasticamente os gastos com o sistema penitenciário e promoverem uma maior eficiência da aplicação de sanções

estatais, quando dos aspectos de prevenção e ressocialização. Sendo assim, não se

poderiam desconsiderar as penas alternativas como uma das medidas indispensáveis

nesta fase de transição, rumo ao abolicionismo penal, posto que como a sociedade ainda possua arraigado o sentimento de necessidade de punição estatal, a adoção destas alternativas em detrimento da privação da liberdade, supriria tal anseio social, até que seja possível expurgar os antigos dogmas penais, adotando-se exclusivamente sanções de cunho civil e administrativo.

 

283 Cfr. GRECO, op. cit., 2011, p. 403-439.

118

 

Ainda neste mesmo diapasão, pontua-se que nos casos em que se necessite uma medida mais enérgica do Estado, em crimes mais expressivos, haveria a necessidade de implementação de ‘medidas recuperacionais’. Tais proposições podem

ser mais bem entendidas nos estudos de João Farias Júnior, mas em suma consistem em uma limitação da liberdade do apenado, que deve passar a ser chamado de recuperando. Este irá submeter-se a uma ação laborpsicoteraéutica progressiva, devendo ocorrer em um sistema de micro comunidades, operado por recuperadores devidamente formados para tal função. Nestes sistemas seria obrigatório o trabalho e a educação escolar, sendo que cada comunidade de recuperação seria um estabelecimento economicamente produtivo e rentável, como bem leciona Farias Jr., senão vejamos:

 

“(…) ‘Punir é castigar, e castigar e recuperar não se compatibilizam’(…) temos que

expungir as mazelas através das seguintes reformas (…) a abolição da pena e sua

substituição por medida recuperacional (…) o delinquente, ao entrar para o

Instituto Recuperacional seria chamado de recuperando (…) o recuperando entraria

para o primeiro estágio e seria promovido para os estágios seguintes (…) é um

sistema de micro comunidade e o tratamento seria operado por recuperadores,

formados em uma escola especializada do Sistema Recuperacional. O trabalho

seria obrigatório, como o seria a educação. Cada Instituto Recuperacional teria

que ser uma unidade economicamente produtiva e rentável (…)” 284.

 

284 Vide FARIAS JÚNIOR, op. cit., 2009, p.521-526.

119

 

Fonte: https://eg.uc.pt/bitstream/10316/35073/1/Abolicionismo%20Penal%20das%20Manifestacoes%20Hodiernas%20as%20Dificuldades%20Fatico-juridicas%20e%20um%20Ensaio%20de%20Tentativas%20a%20Superacao.pdf

VERENA VON LOHRMANN CRUZ ARRAES

Cabecinha de Jesus…

Minha mãe estava aqui assistindo esse video e eu tomei o celular da mão dela e comecei a assistir os pronunciamentos dos advogados no STF…

Cabeeeecinha de Jesus… tá vendo? Essse é o caminho ceeeeerto…. esses são os discursos certos a se seguiiiiiir… e não ficar pirando nas bananinhas de que isso e aquilo e que não não é desse jeito e tal e que privilégio isso e privilégio aquilo e que o direito penal atinge a todos e blablabla… não tem nada a ver!!!! Os textos que eu leeeeeio que eu estou lendo no grupo de estudos do ibccrim estão ceeeeeertos!!!!

Se enxerga garota! hahahahahahahha Abre os olhos! Prestenção! affffff….

Minhas experiências frequentando a Igreja. :) – Aparência.

Depois do último post que eu escrevi um monte de maluquicezinha que eu fico imaginando as pessoas virando pra mim e dizendo “Maíra tu é maluquinha” hahahahahah mas que eu me divirto lendo esses textos e pirando na batatinha e rindo muito comigo mesma hahahahahahah vou falar sobre outras coisas…. 🙂

Bem, como vocês sabem minha mãezinha estava doente… e eu estava passando por um estado muito tenso aqui em casa cuidando dela desde 2017 que ela estava sem plano de saúde e demoramos muito pra conseguir fazer o plano e tal, e teve o período de carência e teve uma vez que encontramos com minha irmã mais velha no supermercado e ela falou coisas horríveis pra gente e isso me deixou muito mal e a gente tava super triste aqui em casa, e eu fui entrando em um fundo de poço muito fundo em minha vida.

Tipo eu disfarçava bem sabe… com essa carinha bunitinha que Deus me deu. Às vezes, lá pro final do fundo de poço não tava mais dando pra disfarçar mais não…. nem com maquiagem. Tava nítido na minha cara que eu não estava bem.

Mas aí encontrei com um amigo meu que me falou pra eu procurar Deus na Igreja que ele me indicou e tudo começou a melhorar.

Ainda até hoje rolam uns ataques de Satanás hahhahahhahaha mas a fé tá aguerrida. Porque eu continuo indo pra Igreja praticamente todos os dias, a primeira coisa que faço ao acordar é ler minha Bíblia e fazer minha oração e enfim, eu coloco Deus em primeiro lugar e as coisas vão dando certo NA MINHA VIDA.

Bem, uma coisa que eu estive pensando muito uma certa vez era sobre aparência…. que eu tava frequentando tanto a igreja que não estava mais cuidando tanto do jeito que eu me mostrava pras pessoas. Tipo não estava mais me arrumando tanto, sabe? Eu tava deixando meu cabelo mais sujo… andava mais sem maquiagem… com as roupas de qualquer jeito… sei lá… tava meio relaxada…

Daí teve um dia que eu resolvi me arrumar e ficar super bonitona.

 

Mas logo descobri que o principal, não é só estar com uma roupa bonita e bem arrumada ou maquiada, mas sim estar realmente bem espiritualmente. Porque não adianta a gente estar lindonda maquiada, bem vestida e estar manifestando no meio da Igreja hahahhahaahahhahaha XD

Mas eu com o tempo fui pegando um equilíbrio maior sobre estar me sentindo bem por dentro e por fora. ❤

E realmente, como minha amiga Karol diz: “Maíra você está tão bonita! E não é só por causa de maquiagem não, é seu semblante! Você tá bonita por dentro! É de dentro pra fora! É algo que vem de dentro de você!” 🙂

Adoro a Karol. Às vezes ela me deixa meio fula da vida! hahahahahahah com as coisas que ela me diz hahahahahahhaaha Mas depois eu dou risada! É muito engraçado! Ela é muito engraçada! Figura! 🙂 E quase sempre ela tem razão nas coisas que ela diz.

Enfim, continuando.

Eu também fiquei muito feliz com uma coisa que aconteceu que foi a Bíblia que eu ganhei do Pastor Allan porque foi muito coisa de Deus…. eu tinha ido ao Templo de Salomão uma vez e eu tinha gostado muito do Projeto da UNP que é da Universal nos Presídios e quando chegou a hora de doar uma Bíblia á um dos presidiários eu vi o preço e fiquei “ai caramba… é muito caro…” mas pensei “cara… foda-se (jesus nao posso falar palavrao!) é pra salvar almas! com essa doação que eu fizer eu posso estar salvando a alma de alguém que tá lá na prisão… eu não né… Deus, Jesus, a Palavra de Deus”. E fiz isso… e quando eu precisei de ajuda eu recebi a mesma Bíblia que tinha doado pra pessoa do presídio!!! :O Cara … se isso não é DDDDEEEEEEEUUUUUS eu não sei mais o que é….. sinceramente: A gente colhe o que planta… A gente recebe aquilo que dá…. É o agir de Deus em nossas vidas SIM! Por isso que essa Bíblia é tão importante na minha vida.

thumbnail_IMG_9330

E no mais, eu tenho evitado postar coisas nas minhas redes sociais, postar novas fotos, comentar da minha vida, me expor de qualquer e toda forma porque eu não quero mais que as pessoas fiquem sabendo o que eu to fazendo, as batalhas que eu estou travando, o que eu faço ou deixo de fazer. Decidi ficar agora low-profile. 🙂

Se eu tenho algum problema eu conto pra Deus. Se eu quero alguma coisa eu peço pra Deus. Quanto menos gente souber da minha vida, melhor. ❤

Quanto menos rede social, menos exposição: melhor.

Tá dando pau no cabeção….

Anotações sobre o Texto da Esquerda Punitiva da Maria Lúcia Karam (Texto de 2001 – Então Presidente: Fernando Henrique Cardoso) .

O comunismo no mundo influenciou o comunismo no Brasil. Como por exemplo o que acontecia na URSS influenciava os partidos daqui do Brasil, e existia um temor de que o Brasil virasse uma ditadura comunista – esse era o discurso de uma oposição reacionária muito orientada de um período histórico de Guerra Fria em que a hegemonia dominante era os Estados Unidos com o capitalismo – e que era o modelo que o Brasil queria copiar.

 

Então dentro disso estava rolando as eleições de Jânio Quadros que era uma dobradinha de Direita e Esquerda no Poder Político da época com João Goulart como vice-Presidente mas que quando ele foi tomar posse como Presidente houve conflito pois ele começou a ser acusado de ser comunista o que na época era mal visto pois ele defendia ideias como a reforma agrária, por exemplo e isso foi um dos motivos para eclodir o Golpe de 64.

Já em outro momento teve a Lei da Anistia que veio como um perdão para os militares e os responsáveis por crimes como tortura e outros cruéis cometidos durante a ditadura civil-militar que demonstram que as penas são criadas por quem tem poder para se eximir de seus próprios crimes.

 

E por um lado o que se busca dentro dos Direitos Humanos está além da punição com a busca da Verdade e da Memória das pessoas que tiveram seus direitos e garantias fundamentais violados por parte dos agentes do Estado.

 

O que o discurso da Esquerda Punitiva de Maria Lúcia Karam vem trazendo também é que foi construída uma imagem do bom magistrado como sendo implacável e severo, que impõe punições severas contra réus enriquecidos e por esse motivo visto como poderosos (mas não necessariamente) atendendo ao clamor contra a impunidade e que isso leva a uma persecução histérica contra a corrupção esquecendo que isso nos leva á legitimação de formas reacionárias de instituir governos como foram vistos exatamente como na Eleição de Jânio Quadros e no Golpe de 64.

 

Dessa forma a irracional luta pelo combate á corrupção leva á prática de trabalhar com dois pesos e duas medidas que é justamente perseguir políticos que são definidos como autores dos crimes enquanto que outros, aliados e companheiros são absolvidos pelas suas práticas, ao passo que em segundo lugar o anti-ético princípio de que os fins justificam os meios fazem que conquistas históricas da civilização sejam quebradas e levem a cabo as garantias das liberdades e os princípios fundamentais do Estado de Direito.

 

A esquerda punitiva muito preocupada com o combate á corrupção diz que os que estão numa classe dominante devem ter seus direitos e garantias retirados durante um processo penal, remetendo até a Jakobs, numa teoria mais punitivista, porém esquece que a sociedade está organizada em uma luta de classes – dominante e subalternizada – e que essa retirada de direitos e garantias fundamentais irá certamente recair em maior peso nas classes subalternizadas, que é justamente quem vive o dia a dia da Justiça Criminal.

 

“Inebriados pela reação punitiva, estes setores da esquerda parecem estranhamente próximos dos arautos neoliberais apregoadores do fim da história, não conseguindo perceber que, sendo a pena, em essência, pura e simples manifestação de poder — e, no que nos diz respeito, poder de classe do Estado capitalista — é necessária e prioritariamente dirigida aos excluídos, aos desprovidos deste poder. Parecendo ter se esquecido das contradições e da divisão da sociedade em classes, não conseguem perceber que, sob o capitalismo, a seleção de que são objeto os autores de condutas conflituosas ou socialmente negativas, definidas como crimes (para que, sendo presos, processados ou condenados, desempenhem o papel de criminosos), naturalmente, terá que obedecer à regra básica de uma tal formação social — a desigualdade na distribuição de bens”.
Nota: Se a distribuição dos bens é fruto do nosso próprio trabalho e do nosso próprio esforço, foda-se eu acredito na meritocracia.
Gente sabe o que isso tá me lembrando? Discurso daqueles adolescentes que usavam camisa do Che Guevara e comiam no Mc Donald’s no Centro da Cidade do Rio de Janeiro!!! NAAAAAAAOOOO!!! Çocooorro!!!! Credo que texto escroto!

 

O que RAIOS tem a ver a pena com distribuição de bens na sociedade? GENTE!!!!!

 

Mano…. não faz o MENOR SENTIDO!!!!!

 

Não… parei….

Sabe o que dá vontade de fazer? Rasgar todos os meus livros do Hobsbawn… do Marx…. nao nao nao nao nao…. comunismo, socialismo não faz mais o MENOR sentido pra mim.

É uma piração!!!!!!

Sabe porque? Porque minha mãezinha de Jesus tava lá no meio do buraco do mundo, lá em Manaus e saiu de lá, e foi pra Fortaleza, pra São paulo, pro Rio de Janeiro sabe? RODOU O BRASIL INTEIRO como Funcionária Pública e eu NUNCA a vi como classe subalternizada de porra nenhuma. PELO CONTRÁRIO! Eu vejo ela como alguém que subiu na vida pelos próprios esforços dela. Que foi lá e lutou pelo que era dela e com os esforços dela chegou onde chegou. Pronto. Simples assim. E cada uma das pessoas desse mundinho de Jejé tem seus próprios esforços e seus próprios talentos e méritos pra chegar onde quiser. E subir na vida até onde conseguir e simples assim e não tem essa de classe dominante e classe subalternizada e que a pena vai distribuir riqueza ou pobreza pras pessoas. Talvez com a pena civil que vai influenciar numa imputação de pena indenizatória ou numa pena de multa dentro da esfera penal mas aí eu te pergunto nos crimes de corrupção as penas que são pra devolver o dinheiro esse dinheiro não teria que ser reaplicado em favor da própria sociedade? Ou seja a distribuição de bens não voltaria em prol da própria classe “subalternizada”?

Tá meio estranho esse discursooooooooo !!!!!!!!!!!

Sabe porque esse discurso coloca as pessoas como vítimas e sempre num papel de inferiores e que elas vão ser sempre subalternas e elas não tem capacidade de mudar sua posição social e é uma puta fixação com PODER. Sabe quem tem poder? Deus! Meu Deus do céu! Cada pessoa exerce um poderzinho na vida de outras pessoas numa certa medida seja por influência, seja por qualquer outra forma do raios que o parta … entendeu? Não precisa dessa fixação do caramba com Poder, gente! Mas não… tudo isso todo esse discurso pra justificar uma coisa pra quê? Pra ter Poder Político…. Affff…

É os adolescentezinhos de camisa do Che Guevara comendo no Mc Donald’s.

As pessoas são ricas por um fator determinista, porque ninguém pede pra nascer rico ou pobre e não é por esse motivo que a pessoa vai deixar de crescer na vida ou se fuder na vida. Não é por questão de classe social que uma pessoa comete crime. Quer um exemplo? Sabe quantas pessoas no Brasil são membros da Igreja Universal do Reino de Deus? 6 milhões!!!!! E quantas pessoas estão no sistema carcerário? 700 mil. Ou seja, são mais pessoas PRATICANDO O BEM DO QUE O MAAAAAAAAAAAL CARALHOOO!!!! Tá entendendo? É mais gente com DEUS no CORAÇÃO do que gente fazendo a obra de satanás.

Não entra na minha cabeça essas Teorias absurdas que eu tô estudando agora.. o discurso não faz o MENOR sentido pra mim.

E MESMO ASSIM A NOSSA IGREJA FAZ PROJETO SOCIAL PRA RESSOCIALIZAR os presidiários e os familiares dos presidiários levando a PALAVRA DE DEUS até eles.

Porque quer saber? SÓ DEUS SALVAAAAAAAAA A VIDA DAS PESSOAS!!!!!

 


 

Agora tô entendendo um pouquinho melhor… fui falar com minha mãe e ela falou que ela mesma se vê como classe subalternizada… e que nenhum governo foi bom no ponto de vista dela porque nenhum foi bom para os funcionários públicos do poder executivo e que ela acha que deve ser melhor ser funcionário público dos outros poderes, tipo do judiciário. porque o único controlado pela União é o executivo. E o judiciário quem controla é o próprio judiciário.

Bom, nisso fiz algumas perguntas pra ela sobre Mãe pra que que a gente tem que entender/estudar política? Pra que que é bom isso? Daí ela falou porque a gente precisa ser esclarecido sobre os discursos pra quando esses políticos filhos da puta hahahahah falarem coisas pra gente a gente entender o que eles estão falando pra gente.

Ok. Nisso falei tá e como se dar bem com política? Aí ela falou “olha não tem como porque é tudo coisa do mal que as pessoas corretas que querem fazer a coisa dar certo quando entram nela vêem que não dá pra mudar e é uma luta inglória porque o esquema lá dentro é todo corrupto.”

Ok. Nisso falei tá e porque o dinheiro dos esquemas de corrupção não voltam pra população? Nisso ela falou  “porque o próprio STF tá com o rabo preso, rola corrupção no próprio STF e no Judiciário que quando é pra coisa acontecer, o dinheiro ser devolvido não rola porque tá tudo dominado… corrupção, corrupção, corrupção…”.

hmmmm…. então neeeeesse caso faz sentido o texto hahahahahhahahahahaha o poder tá na mão dessas pessoas, que estão nessas classes dominantes de estrutura de poder que ditam regras, e irradiam sobre as classes subalternas as penas. E para si determinam todos os privilégios. Com base na corrupção intrucada.

“Inebriados pela reação punitiva, estes setores da esquerda parecem estranhamente próximos dos arautos neoliberais apregoadores do fim da história, não conseguindo perceber que, sendo a pena, em essência, pura e simples manifestação de poder — e, no que nos diz respeito, poder de classe do Estado capitalista — é necessária e prioritariamente dirigida aos excluídos, aos desprovidos deste poder. Parecendo ter se esquecido das contradições e da divisão da sociedade em classes, não conseguem perceber que, sob o capitalismo, a seleção de que são objeto os autores de condutas conflituosas ou socialmente negativas, definidas como crimes (para que, sendo presos, processados ou condenados, desempenhem o papel de criminosos), naturalmente, terá que obedecer à regra básica de uma tal formação social — a desigualdade na distribuição de bens”.

Agoooora eu entendi: A reação punitiva dos setores de esquerda parecem estranhamente proximos dos arautos neoliberais – será que porque convivem brigando por seus interesses? – não conseguindo perceber que desta forma a pena é manifestação do poder – poder de classe capitalista – sendo necessária e prioritariamente dirigida aos excluídos, desprovidos deste poder. como a sociedade é dividida em classes, as pessoas que ocupam nela um papel de criminoso, tendo sido julgados, processados, condenados, DEVERÁ OBEDECER A REGRA BASICA DE UMA TAL FORMACAO SOCIAL QUAL SEJA: A DE QUE A SOCIEDADE É DIVIDIDA EM CLASSES E QUE A PENA RECAI SOBRE AS INFERIORIZADAS, QUE TEM NO SEIO A DESIGUALDADE DA DISTRIBUICAO DE BENS.

Não é – cabecinha de Jesus – que a pena justifica a desigualde da distribuição de bens NAO não é isso…. o que é é exatamente o que acabei de explicar no parágrafo acima. 🙂

ok. Toca em frente.

Repensando…

Acho que essas Teorias que são desenvolvidas com embasamento na Física são boas pra você brisar sem usar drogas sabe? HAUHAUAHAUHAUHAUAHA Porque são mó loucura mesmo… MAS…. Eu acho que é mais por esse caminho mesmo:

https://www.youtube.com/channel/UCmiptCNi7GR1P0H6bp9y0lQ

xoxoxoxoxoox

hmmmmm…..

então cheguei á conclusão de que a mudança do paradigma se utilizando de uma metodologia interdisciplinar com base da utilização da Física ela segue um discurso metafórico para estabelecer uma teoria dessa nova mudança de paradigma porque não faz o menor sentido – real e apriorístico – o que a Física em si estuda e o que a Teoria relata ou seja, é só um discurso metafórico quando eles se relacionam.

Boa boa…